Projeto Reviver leva mais de 800 mudas ao povo Gavião da Aldeia Kriamretijê

Recompor a mata e garantir a economia local são um dos principais objetivos do Projeto Reviver, uma parceria da Fundação Casa da Cultura de Marabá e do Ministério Público do Estado do Pará.

Em mais uma etapa do projeto – que tem como plano piloto a recomposição dos castanhais da aldeia Suruí Sororó, localizada em São Geraldo do Araguaia – a presidente da Fundação Casa da Cultura de Marabá, Vanda Américo, entregou mais de 800 mudas de árvores, entre cacau, castanha, mogno, jatobá e jenipapo, ao povo indígena da Aldeia Kriamretijê, que faz parte da Terra Indígena Mãe Maria.

“É de suma importância termos parceiros nesse projeto. Reflorestar e agregar espécies frutíferas que beneficiam o equilíbrio e ajudam na economia. A castanha-do-pará tem um papel muito importante na cultura da comunidade”, diz Vanda Américo.

O projeto vai contar com o apoio e a participação dos alunos. A professora Oneide do Socorro é a idealizadora do projeto e será a responsável pelo plantio das mudas na aldeia.

“Idealizei esse projeto, levei para a diretora Hairepramre Gavião, que juntamente com o cacique Bebeka Xikrin aprovaram. Nós doamos as sementes para a Secretaria de Agricultura, que fez as mudas, e a Casa da Cultura nos devolve. Um trabalho maravilhoso de reflorestamento da região”, diz a professora.

Ana Mangas – ASCOM/FCCM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pular para a barra de ferramentas